Prefeitura de Parintins promoveu mesa redonda em prevenção ao suicido

A mesa redonda foi acima de tudo um alerta para ofertar apoio a que esteja passando por algum tipo de problema, em especial a depressão, causadora da maioria dos casos de suicídio em todo planeta (Foto: Márcio Costa)

 

Fazendo parte da campanha Setembro Amarelo que auxilia pessoas com depressão e previne o suicídio, o prefeito de Parintins, Bi Garcia, durante a mesa redonda realizada no Colégio Batista, falou da estrutura que a Prefeitura de Parintins oferece a pessoas com problemas psicológicos. O município tem apresentado casos alarmantes de depressão e suicídio que tem preocupado as autoridades. Porém, conta com o Centro de Atenção Psicossocial (Caps) com o psiquiatra, psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros e equipe completa em apoio a mais de mil pacientes cadastrados na unidade.

Segundo o prefeito, a mesa redonda foi acima de tudo um alerta para ofertar apoio a que esteja passando por algum tipo de problema, em especial a depressão, causadora da maioria dos casos de suicídio em todo planeta.

“Nós trouxemos o primeiro Caps do interior do Amazonas para o município de Parintins justamente para ajudar. O resultado deste investimento é fantástico, pois estamos ajudando a salvar vidas. O que seria da gente sem o CAPS? A situação para casos de suicídio é alarmante e temos que estar alerta, tanto as autoridades, como as famílias”, ressaltou.

Segundo o psiquiatra Alessandro Gonzaga, a prevenção ao suicídio não deve ser apenas em setembro, mas sim todos os dias. Hoje, de acordo com o profissional, existem muitos fatores que provocam a dor da alma, por isso é necessário estar atento. “A depressão é o principal transtorno que leva ao suicídio. Porém o suicídio nunca ocorre por uma causa só. Nós do Caps estamos a disposição pra ajudar. Se você precisa de ajuda, não existe em buscar apoio”, ressaltou.

A estudante Tainara Souza disse que mesmo sendo muito jovem, teve problemas, buscou ajuda e por isso hoje faz questão de falar abertamente sobre sua experiência. “A gente tem que procurar ajuda, seja de familiar, ou amigo, mas principalmente de profissionais. O Caps é como se fosse uma família. Eles abraçam seus pacientes. Eu tentei o suicídio várias vezes e hoje estou em uma fase muito melhor”, explanou.

O secretário de saúde, Clerton Rodrigues, agradeceu a todos que fizeram presentes a mesa redonda como estudantes professores, demais secretários municipais e representantes do Estado. Estendeu ainda parabenizações a equipe do Caps pelo excelente trabalho e as pessoas que tem testemunham suas vivências incentivando as demais a buscar apoio.

 

 

SEMSA/SECOM

 

 

 

 

você pode gostar também