Estado

2020 – Um ano tenebroso…

Causos & Casos, de Concy Rodriguez/JI

No começo de 2020, portanto a um ano atrás,  ouvia se notícias sobre o surgimento do novo Coronavírus que havia sido descoberto em Wuhan, cidade chinesa com 11 milhões de habitantes, por conta de uma série de casos de pneumonia com origem desconhecida. Depois de algumas pesquisas, foi descoberta a COVID-19, doença causada pelo novo Coronavírus. Lembro-me do domingo de carnaval 2020, no Carnailha, os blocos se concentraram na Av. Paraíba, onde se ouvia algumas pessoas questionando a sua realização, porém, como o próprio nome já diz era novo e muitas pessoas achavam que seria engano acreditar que pudesse chegar ao nosso país, estado, e muito menos na nossa cidade de Parintins.
De repente, lá estava eu, passando por uma crise de ansiedade, no dia 14 de Março. Nesse dia a notícia que se espalhou aos quatro cantos da cidade, era que um empresário teria sido infectado pelo Covid19 e corria sérios riscos. O medo tomou conta de todos, o uso de máscaras começou a ser uma espécie de dúvida, pois alguns profissionais de saúde diziam que só os infectados deveriam usá-la, e outros questionavam dizendo que todos deveriam usar o equipamento de proteção individual. O produto estava escasso e teria que ser exclusivo aos profissionais de saúde, e foi então que começaram a confeccionar máscaras de pano, estendendo se a todos. Muitas pessoas começaram a consumir grandes quantidades de máscaras, álcool em gel, alimentos e até papel higiênico, pois havia quem dissesse que o Lockdown total seria necessário. Houve muita discussão se seria correto fechar todo o comércio, pois o povo em geral precisava consumir alimentos e utilizar vários serviços essenciais. Temia se entre outras coisas, o saqueamento, e por essa razão começaram as entregas delivery, que “virou febre”. Estavam abertas as discussões, Lockdown ou a economia? Foi então que começou a apresentação de um dos mais terríveis acontecimentos presenciados pela humanidade vivente no século XXl. A guerra biológica não veio para brincadeira e nem para selecionar classes sociais, econômicas, raças e crenças. Muitos disseram que era castigo de Deus, outros, de que a China havia espalhado o vírus no mundo, para futuramente “gerar a cura” e se tornar mais poderosa. E foram muitas perdas, muita tristeza. O ano de 2020 foi tomado de muita incerteza e sofrimento, o mundo inteiro viveu seus piores dias, não houve o famosíssimo Festival Folclórico em Parintins. Tudo que gerava aglomeração foi suspenso, até que chegaram as campanhas eleitorais e os festejos de fim de ano, muitos descumpriram o isolamento social, e em Janeiro de 2021 vieram alguns dos resultados, com a lotação dos hospitais. O Hospital Jofre Cohen que foi programado para ser referência aos pacientes com Covid ficou insuficiente, pois a nova cepa do novo Corona vírus chegou impiedosa, e a partir de então não teve mais escolha, pois o Hospital Padre Colombo que estava funcionando com pediatria, obstetrícia e emergência, passou a receber também os pacientes infectados.
Hoje podemos dizer que não há mais previsão de quem está infectado ou não, todos são suspeitos,  precisamos agora mais do que nunca ter consciência de que os cuidados devem ser mantidos, até mesmo os vacinados precisam continuar usando máscaras e se possível se distanciar dos demais, pois mesmo se não houver transmissão, é importante causar boa impressão, dar bons exemplos e também como forma de respeito aos que ainda não tiveram o “privilégio” de terem sido vacinados.

Em resumo, se quisermos sair vitoriosos, precisamos agora, mais do que nunca, ter a consciência de que só há três opções, o uso da máscara, a higienização das mãos e o distanciamento como no início, e digo mais, o vírus está mais forte.

Por: Concy Rodriguez.

Colunista JI

você pode gostar também