Campanha Caburi

A deficiência e a sua superação através do esporte

O parintinense Kael Modesto de 13 anos, com a deficiência, Paralisia Cerebral Hemiplégica a Direita e Epilepsia é um exemplo dessa superação com a conquista da medalha de ouro no tênis de mesa

Para muitos atletas o JEA’S representa a luta por uma medalha e por uma oportunidade em competições nacionais, mas para os atletas PCD (Pessoa com Deficiência) esses jogos representam a superação dos próprios limites, independente da conquista ou não de uma medalha, onde o primeiro ou o último lugar é o que menos importa. É emocionante, o apoio dos familiares, da torcida com gritos e aplausos, onde o importante é ver a felicidade dos atletas durante as provas em mais uma edição dos Jogos Escolares do Amazonas.

Participando pela primeira vez da disputa nacional, o parintinense Kael Modesto de 13 anos, com a deficiência, Paralisia Cerebral Hemiplégica a Direita e Epilepsia é um exemplo dessa superação com a conquista da medalha de ouro no tênis de mesa, na categoria PCD infantil e absoluta (pessoas de vários tipos de deficiência e de todas as idades).

O esporte mostra a essas pessoas com deficiência visual, auditiva, física ou intelectual permanente, que tudo é possível dentro das limitações, proporcionando no aspecto social, oportunidade de sociabilização entre pessoas com deficiências e ditas “normais”, tornando-o cada vez mais independente, pois aumenta a autoconfiança, autoestima e o otimismo em querer fazer sempre o seu melhor, como aconteceu com o atleta do tênis de mesa do CETI que segundo sua mãe (Ionice Souza), antes do esporte, Kael era um jovem tímido e vivia ‘escondido’ do mundo. Hoje o parintinense é medalhista de ouro e foi convidado para compor a delegação amazonense para a disputa de um campeonato nacional no mês de novembro. “O apoio da família em integrar o atleta com deficiência junto aos demais sem deficiência, proporcionando um trabalho de treinamento igualitário a todos é muito importante na socialização e para dar mais confiança através da acessibilidade”, destacou o treinador do jovem Kael, Jorge Andrade.

Texto: Kedson Silva/JI

você pode gostar também