Estado

A ‘Fantástica’ desinformação

(Foto/ divulgação)

O povo amazonense experimenta um dos piores momentos da pandemia do novo coronavírus. Isso é inegável. Parece que esse vírus maldito surgiu por essas bandas, pois inapelavelmente tem ceifado centenas de vidas.

É notícia de morte toda hora. Nas redes sociais, então, não se fala em outra coisa. Pessoas queridas que se vão: pior, sem despedidas e sepultamentos no silêncio da noite e madrugada. Devastação emocional no meio familiar.

O coronavírus sepulta gente, mas há outros meios que propagam destruição também. A mídia é a principal delas. O sensacionalismo que muitos meios de comunicação se sujeitam a fazer é imperdoável. É muita bobagem divulgada.

Essa chamada ‘fantástica’ desinformação é cruel para os nossos dias. É ridícula a postura de alguns meios de comunicação quanto a situação, ou seja, eles aderiram o antigo ditado do “quanto pior melhor”. Ridículo também, a atitude de algumas pessoas na cidade de Parintins.

Parintins tem sido o centro das atenções quanto aos cuidados da administração pública no combate ao coronavírus. Por aqui começaram a higienização das ruas, prédios públicos, praças, kit de medicamentos para tratamento da doença, toque de recolher, enfim.

Por aqui se instalou usina de oxigênio. Apesar do sistema de saúde, no Amazonas, ser caótico, por aqui, há um diferencial peculiar. Parintins estendeu a mão para municípios vizinhos. Coisas boas para se divulgar, os fantásticos comunicadores retem. Aqui não faltou mais oxigênio

Tem gente que saboreia as más notícias. Sem elas, são incapazes de mostrar o outro lado de qualquer história, por mais que o final tenha o mais saboroso enredo. Ah, é impossível não falar do lado obscuro da política partidária.

No Amazonas é evidente que políticos querem ‘lucrar’ com a pandemia. Aplicar terror no território do outro, evitar mostrar em nível nacional o que de bom se faz em meio a tanta dor e sofrimento. A fantástica desinformação é assim.

O Estado do Amazonas, politicamente, estar sem rumo e os municípios, coitados, ficam sozinhos. Ainda bem que Parintins tem gestão, mesmo que não dê conta de salvar todo mundo, mas o Amazonas deveria ser olhado a partir daqui.

 

Por Aroldo Bruce / Blog Ilha Tupinambarana

Colaborador JI

 

você pode gostar também