Estado

A PESTE II

(Para J. Mota)

Tenho perdido amigos

para a morte:

todos partem

todos se vão

todos se mudam

sem se despedir…

limitado pelo protocolo epidêmico

assisto à distância ao lídimo ofício

do coveiro

que em seu mister diário

confia à terra os corpos que lhe chegam

semeando saudades e lembranças

como se plantasse no chão

essa espera

de quem foi embora

e não volta não…

 

 

Francisco Florêncio

Fortaleza-(CE)

04.10.20

você pode gostar também