Gov-01

Amazonas recebe carregamento recorde de insumos e respiradores do Ministério da Saúde

A carga inclui mais de 244 mil unidades de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), 25 respiradores do tipo invasivo, usados em leitos de UTI, e 20 respiradores de transporte.

O Amazonas recebeu, entre a última quinta (30/04) e sexta-feira (01/05), um carregamento recorde de insumos e equipamentos enviados pelo Ministério da Saúde (MS) para apoiar as ações de combate ao novo coronavírus no estado.

A carga inclui mais de 244 mil unidades de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), 25 respiradores do tipo invasivo, usados em leitos de UTI, e 20 respiradores de transporte, destinados a cuidados intermediários e transferências hospitalares.

Para a secretária de Saúde, Simone Papaiz, o material enviado pelo Governo Federal é um importante apoio ao trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Governo do Amazonas na assistência e na ampliação de leitos.

Ela também explicou como será feita a distribuição dos materiais às unidades da rede estadual de saúde. “Os EPIs são enviados pela Central de Medicamentos do Amazonas (Cema) periodicamente às unidades, que distribuem aos profissionais e assim, vai acontecer com esses que chegaram. Já os respiradores vão passar por calibragem e, em seguida, serão enviados aos hospitais”.

O lote de EPIs recebido inclui frascos de álcool em gel 70%, aventais e toucas descartáveis, aventais impermeáveis, máscaras de proteção respiratória PFF2 e máscaras cirúrgicas.

O secretário executivo adjunto de Atenção Especializada ao Interior, Cássio do Espírito Santo, destacou que o suporte do Ministério da Saúde tem sido essencial para o enfrentamento à pandemia no Amazonas.

“É muito importante falar dessa parceria com o Ministério da Saúde, que nos ajudou neste momento de grande dificuldade e assim, com parceria e sinergia, conseguimos prestar um serviço melhor para a população”, disse.

Fluxo de distribuição – De acordo com o coordenador da Central de Medicamentos do Amazonas (Cema), Rafael Poloni, a central trabalha de domingo a domingo para garantir o abastecimento das unidades de saúde com os insumos enviados pelo Governo Federal, além daqueles adquiridos com recursos do Governo do Estado.

“O Ministério da Saúde tem enviado frequentemente insumos, principalmente, Equipamentos de Proteção Individual, além da cloroquina, o medicamento que está sendo utilizado no enfrentamento da Covid-19. A entrega é feita, é conferido item a item, eles entram no sistema e, a partir do momento dos pedidos das unidades, a Cema distribui esses itens”, explicou o coordenador da Cema.

Segundo Poloni, a Central de Medicamentos também produz relatórios diários para o Governo do Estado e órgãos de controle sobre tudo o que entra e sai dos galpões, inclusive as doações feitas pela iniciativa privada.

“Recebemos, por exemplo, doação de várias entidades, tanto públicas quanto privadas. Todos esses doadores têm acesso aos relatórios. É só solicitar da Cema que nós prontamente emitimos relatório com data, local, quantitativo para onde foi, assim como assinatura do responsável pelo recebimento na unidade de saúde”, informou.

Doação – Nesta sexta-feira (01/05), a Cema também recebeu 664 pares de botas de PVC doados pela Yamaha Motor da Amazônia, empresa do polo de duas rodas instalada no Distrito Industrial. O material será destinado aos profissionais que atuam no Hospital de Combate ao Covid-19, na Nilton Lins.

 

Fotos: Rell Santos/Secom-AM

Postado por Carlos Frazão/JI

 

Wilson Lima assina decreto prorrogando os prazos de suspensão dos serviços não essenciais no Amazonas até 13 de maio

 

O governador Wilson Lima assinou, na quinta-feira (30/04), decreto que prorroga a suspensão de funcionamento de estabelecimentos comerciais e serviços não essenciais no Amazonas até 13 de maio. Publicado no Diário Oficial nº 34.238, o Decreto nº 42.247 normatiza ainda o funcionamento dos estabelecimentos que podem funcionar no Estado atendendo as normas de prevenção e combate ao novo coronavírus.

Podem funcionar estabelecimentos de abastecimento alimentar como padarias, restaurantes e supermercados; farmácias; devendo atender, preferencialmente, na modalidade delivery, a fim de evitar aglomeração de pessoas. Distribuidoras de água mineral e gás de cozinha e estabelecimentos que comercializam alimentação e medicamentos para animais também poderão funcionar durante a vigência do decreto.

As agências bancárias e loterias devem respeitar o protocolo de segurança para evitar a aglomeração de pessoas na área interna e externa do local. O decreto excetua de suspensão o trabalho de prestadores de serviço do transporte público, motoristas de aplicativos e taxistas.

Os estabelecimentos que comercializam peças automotivas, materiais elétricos e de construção também devem atender, preferencialmente, em forma de delivery. Postos de combustíveis, oficinas mecânicas, lavanderias e prestadores de serviços de manutenção como eletricistas e encanadores também são permitidos pelo decreto, que inclui ainda cartórios, escritórios de advocacia e armarinhos de tecidos como serviços essenciais.

Saúde – A medida estabelece ainda que podem funcionar clínicas que tratem em caráter continuado pacientes oncológicos, cardiopatas, renais, diabéticos, obstétricas e pediátricos; clínicas que prestem serviços de assistência à saúde com serviços médicos ambulatoriais, visando à diminuição da sobrecarga da rede pública e privada; clínicas de vacinação; serviço de assistência à saúde dos animais; e serviços odontológicos de urgência.

Suspensão – O decreto prorroga a suspensão das aulas em todo o Amazonas, incluindo a Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam) e Fundação Aberta da Terceira Idade(Funati). A medida também mantém a suspensão do transporte intermunicipal e interestadual, fluvial ou terrestre.

Também continuam suspensos: eventos realizados pelo Governo do Estado; visitação a presídios e centros de detenção de menores; academias de ginástica; atendimento presenciais em repartições públicas; casas de shows; igrejas, templos religiosos e estabelecimentos similares; e o recadastramento de servidores ativos e inativos.

 

SECOM/AM

Postado por Carlos Frazão/JI

 

 

 

você pode gostar também