Amazonino Mendes (PDT) e Wilson Lima (PSC) participaram do último debate da rede Amazônica

Os candidatos ao governo do Amazonas pelo 2º turno, Amazonino Mendes (PDT) e Wilson Lima (PSC), participaram nesta quinta-feira (25) do último debate antes do pleito de domingo (28). O G1 acompanhou o debate em tempo real, que também será disponibilizado na íntegra em instantes.

Mediado pelo jornalista Carlos Tramontina, da TV Globo, o debate foi realizado nos estúdios da Rede Amazônica, na Zona Centro-Sul de Manaus.

Durante cerca de 2h30, os candidatos apresentaram propostas para áreas de segurança pública, economia, saúde, meio ambiente, educação, emprego, combate à corrupção e desenvolvimento do interior.

O debate foi divido em quatro blocos: no 1º e 3º foram feitas perguntas com tema livre, enquanto no 2º e 4º os candidatos fizeram perguntas de tema determinado. O último bloco incluiu ainda as considerações finais de cada um.

Considerações finais

Amazonino Mendes (PDT)

“Quero abraçar a cada um dos correligionários, sobretudo aqueles mais humildes que ainda acreditam em um velho guerreiro. Um velho lutador que só está aqui porque se sente cidadão. Não por interesse pessoal, porque queira ter vaidade de ser governador, ou tenha interesse de obter bens materiais. Então eu digo com muita clareza que eu estou sublimado. A questão é de preocupação efetiva conosco, com nossas família, com o futuro do estado. Esse estado que se mostrou tão frágil. De repente ele desaba nas mãos de pessoas que não estão qualificadas, que não estão preparadas, que não tem condições. Isso nós assistimos a pouco. Nós vimos isso ocorrer, lamentavelmente, com um homem que não é mau, ele não é uma pessoa má. Ele estava despreparado. Eu não segurei ali o governo aí um ano. Eu vim cumprir uma missão e espero ter cumprido essa missão. Eu não posso ser vítima das mazelas que fizeram por aí como quer, a qualquer custo, impingir o nosso adversário. A reverso. Quero que vocês me olhem como um solucionador de problemas, um homem que enfrenta os problemas a todo os níveis, seja a nível do Supremo Tribunal Federal (STF), com o presidente da república ou seja a nível de interior. As dores, o sofrimento do nosso humilde caboclo, abandonado, perdido aí nos rincões dessa Amazônia imensa. Meus amigos, essa eleição, uma eleição é a coisa mais importante do Brasil hoje. Talvez você até se sinta mal, não acredita em política, é verdade, você tem razão. Os políticos foram péssimos. Mas não misture, não coloque tudo como farinha do mesmo saco. Estude a história de cada um, a biografia de cada um, o legado de cada um. Como meu adversário diz que eu tenho 40 anos de política. Eu não tenho 40 anos de política. E seriam 40 anos de dignidade , decência, de ficha limpa. Testado, analisado, examinado. Isso vale. Isso não tem dinheiro que pague. Um homem disse em conceito. E, veja bem, nem sempre o novo é velho. Muitas vezes o velho é o novo e o novo é o velho. Eu olho, com todo respeito não quero falar e vou até mudar o meu pensamento, mas eu não vejo com segurança, com tranquilidade ser certo entregar o governo em mãos despreparadas. É uma aventura, é um salto no escuro”.

Wilson Lima (PSC)

“Quero agradecer a você que nos ajudou a combater a fábrica de notícia falsas, de mentiras criadas pelo nosso adversário para desconstruir a nossa imagem, para me atacar. É tanto que aqui no debate ele falou que eu era apedeuta, disse que eu era despreparado, me atacou o tempo todo. Eles querem te enganar, querem roubar a tua esperança de mudar a realidade. O tempo é mais poderoso que todos nós. Candidato eu tenho maior respeito por você, pela sua história, pelo que você pelo estado do Amazonas. Mas a população não aguenta mais. O povo quer mudar, o Amazonas quer mudança. O Brasil quer o novo. Eu quero ser governador para melhorar a segurança pública. Hoje Você sai de casa e não sabe se volta vivo. Eu não vou sossegar enquanto não diminuir as filas da saúde. Enquanto amigos do governador estão se tratando lá em São Paulo, o nosso povo tá morrendo na porta de hospital. Nós não temos acordos com a velha política. Nós temos a independência necessária para montar um governo técnico, com as melhores cabeças do estado do Amazonas. Do lado de lá eles têm muito dinheiro, tem muita estrutura, tem muita influência, mas do lado daqui nós temos um Deus que está nos guiando. Nada nem ninguém vai ser mais importante e mais poderoso que a sua vontade de mudar. Eu estou aqui por você. Eu não tive ajuda de governo do estado, não tive ajuda de nenhuma máquina poderosa, não tive ajuda de políticos poderosos. Eu estou aqui porque o povo quer. É a vontade do povo que tem que ser respeitada. No último dia 7, no domingo, o povo foi para as urnas e disse que não aceita mais a corrupção, que não aceita mais as velhas práticas, que não aceita mais esse jeito covarde e rasteiro de fazer política. A mudança é 20. A transformação é 20. A esperança é 20. Eu sou 20. Nós somos 20.”

 

 

Por G1 AM