AOS 80, ELZA SOARES POSA SEMINUA, COBERTA DE ROSAS E ANUNCIA BIOGRAFIA: ‘PREPAREM-SE’

A cantora encerrou a bem-sucedida turnê de “Elza canta Lupi”, em homenagem a Lupicínio Rodrigues, que se tornou um amigo e compositor dos mais presentes na vida da cantora.

“Tudo começou com um belo ramalhete de rosas vermelhas, cara. Já contei essa história um milhão de vezes, mas é isso aí. Quando comecei a cantar nas noites da saudosa boate Texas Bar, na Zona Sul carioca, belo dia entra um homem bem vestido com rosas vermelhas nos braços e me aborda, elegantemente, lógico. Eu, muito ressabiada, saio logo com ele na cabeça. Era o grande compositor Lupicínio Rodrigues, para o meu espanto. O compositor do meu primeiro sucesso ‘Se acaso você chegasse’.

Elza cantou pela última vez o repertório de clássicos que ajudou a construir sua carreira num show memorável na Bahia. O cenário tinha mais de duas mil rosas e ela não pensou duas vezes. “Eu quis prestar a minha última homenagem a esse grande compositor, grande amigo, um grande cara, meu Lupi e pedi minha produção para recolher as pétalas de rosas do palco no fim do show e resolvi mergulhar naquilo tudo logo que chegamos no hotel. Foi uma farra, cara. Um misto de emoção, satisfação, alegria, sei lá. Era como se eu cumprisse o que prometi a ele. Nunca esquecer de suas rosas e tudo mais que ele havia me dado”, conta Elza.

A artista justifica o seu “Beleza brasileira”, depois de recorrer à clássica cena de “Beleza americana” para reproduzir a foto com as rosas vermelhas. “Beleza Americana que nada. É beleza brasileira mesmo. Passei uma vida buscando luz para os nossos artistas, enaltecendo o nome do nosso povo. Acho que a essa altura tenho o direito e o dever de estampar a beleza do nosso país, que vai muito além da estética, das curvas, do suingue. A beleza brasileira de um dos maiores brasileiros que já conheci, meu grande Lupi. Está aí. Para fechar com chave de ouro esse trabalho, me cobri com suas rosas que enfeitaram o chão do meu palco todos esses anos”, completa Elza.

Essas e outras histórias de Elza Soares e de muitos brasileiros notáveis serão contadas sem pudores na biografia que prepara para 2018. O livro é escrito pelo jornalista e apresentador Zeca Camargo, com direção de conteúdo dos dois empresários de Elza, Pedro Loureiro e Juliano Almeida. “Quero contar tudo, até o que ninguém ouviu ainda. Tá cheio de coisas inéditas ali”, comenta Elza: “Preparem-se”. O lançamento deve ocorrer no segundo trimestre.

 

Extra/RJ