Apuração do Festival de Parintins acontece às 15h30 desta segunda

Campeão do 54º Festival Folclórico de Parintins será conhecido nesta segunda-feira; acompanhe ao vivo pela TV A Crítica e Portal A Crítica.

 

Após três dias de um dos maiores espetáculos da Terra e protagonizado pelos bois-bumbás Caprichoso e Garantido, que encantaram o mundo com apresentações embaladas por cores, alegria e questionamentos sociais, o campeão do 54º Festival Folclórico de Parintins será conhecido nesta segunda-feira, a partir de 15h30, no Bumbódromo de Parintins, na apuração das notas dos jurados.

Em vez da Arena, as atenções estarão voltadas para uma das salas do Centro Cultural Amazonino Mendes, como é oficialmente denominado o o Bumbódromo de Parintins, cidade a 325 quilômetros de Manaus.

O evento terá transmissão da TV A Crítica e cobertura dos demais veículos da Rede Calderaro de Comunicação (RCC), detentora dos direitos de transmissão do Festival.

Uma das curiosidades mais legais deste ano, antes da disputa propriamente dita na Arena do Bumbódromo, foi quando, no sorteio da ordem de apresentação do Festival, numa daquelas ironias que só acontecem com os bois, o presidente Babá Tupinambá tirou uma bolinha com o número 3, de “mátria” e do possível tricampeonato, e o presidente do Garantido, Fábio Cardoso, a 32, que pode ser o número de conquistas se o vermelho e branco vencer o 54º Festival.

Nas mãos deles

O destino das duas associações folclóricas está nas mãos de dez jurados:   Fernando Hashimoto (Campinas-SP), Camila Zanetta (Florianópolis-SC), Uirá Nogueira (Salvador), Mauricio Orosco (Uberlândia-MG), Christina Fornaciari (Belo Horizonte), Artur Marques (João Pessoa-PB), Alexandre Nunes (Goiânia), Oswaldo Giovannini Júnior (João Pessoa-PB), Janaina Damaceno (Rio de Janeiro) e Louise Alfonso (Porto Alegre).

Segundo informou a Comissão Julgadora do Festival de Parintins 2019, os jurados possuem qualificação de mestrado, doutorado e pós-doutorado nas áreas que envolvem os blocos comum/musical, cênico/coreográfico e artístico. O presidente da comissão é Agenor Ribeiro.

Mátria Brasilis

Em busca de um tricampeonato que não vem desde a trinca 94-95-96, o Caprichoso, que tem 22 títulos do Festival Folclórico de Parintins, trouxe este ano o tema “Um Canto de Esperança para a Mátria Brasilis”, um canto de resistência que convoca o povo brasileiro a se empoderar e lutar e se reconstruir para construir um Brasil melhor para todos, fazendo do Festival uma mensagem de reconstrução para o Brasil.

O tema abre espaço para a discussão da opressão e preconceito contra as mulheres negras e índias que foram violadas, ou seja, da miscigenação que causou tanta dor a essas mulheres e que é romantizada – dessa dor nasceu a nação brasileira, enfatiza o Touro Negro de Parintins. Tudo embasado pelas pesquisas feitas pelo coordenador do Conselho de Arte, Ericky Nakanome, pela liderança do presidente Babá Tupinambá e sob a voz potente do levantador oficial de toadas David Assayag, a “Voz que Vem da Floresta”.

Nós, o Povo!

Já o Boi Garantido vai tentar resgatar o título perdido nos dois últimos anos e aumentar a sua coleção de conquistas – a associação folclórica tem 31 títulos em sua história. Para isso, exaltou as lutas, alegrias e a liberdade do povo brasileiro nas três noites de apresentação do tema “Nós, o Povo”, e ao mesmo reverenciando a história do próprio boi, as lendas amazônicas e os rituais tribais. O boi dividiu as apresentações em três subtemas: “O Boi das Lutas do Povo”, o “Boi da Alegria do Povo” e “Garantido: o Boi da Liberdade do Povo”. O vermelho e branco deste ano foi concebido a partir da genialidade artística do coordenador da Comissão de Arte do Garantido, Júnior de Souza, sob a presidência do advogado Fábio Cardoso e na voz inconfundível de Sebastião Júnior, conhecido como o “Uirapuru da Amazônia”.

 

Paulo André Nunes/PORTL A CRITICA