BR-319 e Zona Franca: Bolsonaro fecha visita a Manaus com promessas

Presidente da República afirmou que a proposta de reforma tributária a ser encaminhada pelo Governo vai manter garantias fiscais da ZFM e prometeu recursos para recapear a BR-319 (Foto: Antônio Lima)

 

 

Em vista a Manaus, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), declarou que as garantias fiscais da Zona Franca de Manaus (ZFM) serão asseguradas no texto da proposta de reforma tributária. Bolsonaro também anunciou que o governo federal irá disponibilizar recursos para o recapeamento asfáltico de trechos da BR-319, rodovia federal que liga Manaus a Porto Velho.

“A Zona Franca de Manaus vai ser preservada. A região tem algumas especificidades que serão garantidas. (As regras) não serão iguais para todo mundo. A região ainda carece de ajuda federal”, declarou o presidente da República, em coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira, após participação na Reunião Ordinária do Conselho de Administração da Suframa (CAS).

Bolsonaro disse que trouxe o ministro da Economia, Paulo Guedes, para “mostrar prestígio à região”. Autor de declarações e demonstrações contrárias ao modelo, Paulo Guedes, demonstrou não estar confortável nos eventos da agenda e se esquivou dos questionamentos da imprensa. “Eu evoluo, você e o Paulo Guedes. Ele entendeu a importância estratégica dessa região amazônica. A continuar políticas anteriores aplicadas aqui, a tendência é nós perdemos a Amazônia”, disse Bolsonaro.

Coração econômico

Em discurso na reunião do CAS, o ministro da Economia disse ter conhecimento da importância da estrutura tributária para região e  que “isso será levado em consideração quando apresentarmos nossa proposta”, ao se referir a manutenção dos incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus e o projeto de reforma tributária.

“Não vamos usurpar nada que seja bom para o Brasil, nós temos que construir alternativas melhores para todas as regiões. Nós vamos preservar a força das regiões brasileiras, nós vamos adicionar recursos possíveis, mas não vamos atingir a essência, o coração econômico das regiões brasileiras e principalmente desta região”, declarou o presidente do CAS.

Questionado sobre declarações anteriores contrárias aos incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus, Paulo Guedes minimizou: “Quando falei em reforma tributária, vocês (imprensa) me perguntaram: nós queremos fazer uma reforma tributária, então como fica a Zona Franca de Manaus? Eu respondi: você quer que o Brasil não faça uma reforma por causa disso ou você quer que a gente atenda a região da zona franca, mas que isso não impeça uma reforma tributária que seja importante para o Brasil? Se vocês (repórteres) quiserem o conflito o tempo inteiro, vocês vão viver disso até conhecer a reforma”, rebateu em coletiva de imprensa.

Investimentos

Bolsonaro anunciou que o governo irá disponibilizar recursos para o recapeamento asfáltico da BR-319. “Estamos dando uma sinalização concreta que vamos buscar atendê-los e há interesse nacional nisso. Investimos virão para o Brasil e pode ter certeza que (o asfaltamento da rodovia) é uma das obras prioritárias nossas. As licenças ambientais já estão concedidas e as obras começam no verão amazônico do ano que vem”, disse.

O presidente ainda disse que a região amazônica é a “mais rica do planeta Terra” e que pode ser a “alma econômica” do País. “Ao casar desenvolvimento com preservação ambiental, nós seremos a alma econômica do Brasil. Aqui tem tudo para alavancar o País ao local de destaque que ele merece”, declarou Bolsonaro.

Ainda segundo o presidente, a região amazônica possui todos os recursos para alavancar a economia brasileira. “Temos biodiversidade, riquezas minerais, água potável, grandes espaços vazios, áreas turísticas inimagináveis para alavancar nossa economia partindo daqui”, defendeu o presidente da República e acrescentou que o Governo está aberto disposto a ouvir e celebrar com outros países parcerias para o desenvolvimento econômico da região.

Saiba mais

O Ministério da Justiça e Segurança Pública informou que os celulares usados pelo presidente Jair Bolsonaro foram alvos de ataques hackers. Bolsonaro afirmou que informações estratégicas do Governo são tratadas pessoalmente. “Sempre tratei diretamente com governistas ou chefes de Estado. É um ato que fere a lei e esse pessoal será punido tendo em vista as invasões de privacidade”, disse.

 

Larissa Cavalcante/Portal A Crítica