Gov-01

Caso de Covid-19 somam 1.275 e Governo do Amazonas reforça rede de assistência

Defensoria recomenda a bancos que instalem tendas na área externa de agências no Amazonas.

Sobe para 147 número de pessoas que estão fora do período de transmissão

 

A Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM) registrou mais 69 casos do novo coronavírus (Covid-19) no balanço divulgado nesta segunda-feira (13/04), totalizando 1.275 casos no Amazonas. Em entrevista online, a titular da Secretaria de Estado da Saúde (Susam), Simone Papaiz, também destacou o esforço do Estado para ampliar leitos e a rede estadual de assistência.

Outras nove mortes que estavam sendo investigadas foram confirmadas tendo Covid-19 como causa, entre os quais estão os óbitos de dois médicos e um enfermeiro, todos de Manaus. O número total de óbitos por coronavírus subiu para 71.

Os números foram apresentados pela diretora-presidente da FVS, Rosemary Pinto, que também participou da entrevista transmitida nas redes sociais do Governo do Amazonas.

Do total de casos de Covid-19 no Amazonas, 1.106 são na capital e 169 no interior do estado. O maior número de casos está em Manacapuru (92), em seguida Itacoatiara (15), Iranduba (14), Parintins (11), Santo Antônio do Içá (10), São Paulo de Olivença (7), Tabatinga (3), Anori (3), Tonantins (4), Careiro da Várzea (2), Novo Airão (2) e Presidente Figueiredo (2). Outros quatro municípios têm um caso cada: Boca do Acre, Careiro Castanho, Manicoré e Tefé.

Isolamento e internação – Atualmente, há 863 pessoas com diagnóstico positivo para Covid-19 que estão se recuperando em isolamento social, o que representa 67,69% do total.

Entre os casos positivos do novo coronavírus, há 194 internados, sendo 117 em leitos clínicos e 77 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) da rede pública (32) e da rede privada (45).

Há, ainda, outros 366 pacientes suspeitos internados, que aguardam a confirmação do diagnóstico. Desses, 313 estão em leitos clínicos (135 na rede privada e 178 na rede pública); e 53 estão em UTI (36 na rede privada e 17 na rede pública).

De acordo com a diretora-presidente da FVS, aproximadamente 700 pacientes que apresentaram quadro clínico compatível com a doença fizeram o teste e aguardam o resultado do Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (Lacen).

O número de pacientes recuperados, que estão fora do período de transmissão do vírus, subiu para 147.

Ampliação da rede – A secretária de Saúde, Simone Papaiz, destacou que o Governo intensificou o trabalho para ampliar a rede de assistência e disse que o número de leitos de UTI no Hospital Delphina Aziz subiu para 75. A meta é chegar a 200 de UTI e 250 leitos clínicos, chegando à capacidade máxima de 350 leitos na unidade.

A secretária ressaltou, ainda, que o Estado finalizou a minuta de contrato da locação do prédio do Hospital Nilton Lins, ao mesmo tempo em que está sendo feita a contratação dos serviços-meio, como lavanderia, serviços de nutrição, gás medicinal, segurança, entre outros.

“Isso é um avanço para que a gente tenha uma data mais próxima possível para o início das atividades. A grande dificuldade hoje é a contratação de serviços humanos na sua totalidade. Esses leitos vão precisar de médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, psicólogos, assistente social. A ideia é de contratação de cerca de 900 pessoas, para que a gente possa iniciar a implantação de 10 leitos de UTI e 100 leitos de internação, para ser referência para Covid”, informou Simone Papaiz.

 

Apoio Federal – A secretária de Saúde esclareceu, ainda, que o Amazonas não está sofrendo intervenção Federal por conta da pandemia de coronavírus. “O governador sempre teve uma proximidade muito grande com Governo Federal, com o ministro da Saúde, a intensificação dessa ação, desse apoio, vem surgindo de acordo com os dados epidemiológicos. Da mesma forma como o estado apoia os municípios, o ministério vem apoiando o estado do Amazonas”, observou Simone Papaiz.

“Hoje nós recebemos a equipe do Sírio Libanês, eles chegaram no Amazonas cerca de 13h30 e vamos ter uma reunião na Susam, com toda a equipe técnica. Foi confirmada, também, pelo Ministério da Saúde, a vinda de 10 médicos intensivistas, que devem chegar entre hoje e amanhã, e a gente vai redirecioná-los depois da quarentena, para que eles possam fazer assistência nas unidades de referência”, concluiu a secretária de Saúde do Amazonas.

 

Óbitos – Mais nove mortes por Covid-19, todas de pacientes de Manaus, foram confirmadas pela FVS, totalizando 71 óbitos no Amazonas.

 

Entre os casos, estão três profissionais de saúde: um enfermeiro de 47 anos com histórico de diabetes e hipertensão, que morreu neste domingo (12/04), um médico de 75 anos, que também tinha diabetes e hipertensão e faleceu ontem (12/04); e outro médico de 72 anos, sem registros de comorbidades, que veio a óbito hoje (13/04).

Os outros seis casos, ocorridos entre os dias 9 e 13 de abril, foram: um homem de 33 anos, sem registro de comorbidades; outro homem de 55 anos, também sem doenças associadas; um homem de 53 anos, sem comorbidades; um homem de 86 anos, que tinha diabetes; uma mulher de 69 anos portadora de doença cardiovascular; e outra mulher de 89 anos, que tinha doença neurológica crônica.

Do total de 71 óbitos ocorridos no Amazonas, 62 foram de pacientes de Manaus e nove do interior, dos municípios de Manacapuru (3), Parintins (3), Iranduba (1), Manicoré (1) e Novo Airão (1). Outros 13 óbitos estão em investigação pela FVS-AM.

 

Defensoria recomenda a bancos que instalem tendas na área externa de agências no Amazonas

 

Tendas devem observar distância mínima necessária para evitar transmissão do coronavírus e servem para evitar longa exposição dos consumidores às condições climáticas

A Defensoria Pública do Estado (DPE-AM) recomendou a todos os bancos do Amazonas que disponibilizem tendas na área externa das agências bancárias para receber os clientes que aguardam por atendimento. A recomendação, emitida nesta segunda-feira (13/04), também pede que os caixas eletrônicos sejam desinfectados, no mínimo, três vezes ao dia, durante o expediente bancário, para eliminar eventuais focos de infecção do coronavírus no interior das agências.

Conforme ofício enviado aos bancos pela DPE-AM, as tendas devem observar as orientações de distância mínima necessária para evitar a transmissão do novo coronavírus e servem para reduzir a longa exposição dos consumidores às condições climáticas da região. Nas tendas, também devem estar à disposição para clientes os materiais de higiene pessoal necessários à prevenção da Covid-19, como álcool em gel e toalhas de papel.

Conforme o defensor geral do Amazonas, Ricardo Paiva, a falta de resposta dos bancos ou o não acatamento da recomendação podem motivar a adoção de outras medidas que se façam necessárias para cessar a situação de risco à saúde pública nas agências bancárias.

“Apesar das recomendações de segurança e das orientações da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), que pedem alguns cuidados para reduzir a proliferação do coronavírus, estamos vendo frequentemente longas filas sendo formadas nas agências bancárias do nosso estado. Isso nos preocupa, porque toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar”, justifica o defensor.

 

FOTO: Divulgação

Mais informações: Assessoria de Comunicação da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM): André Alves (99984-3767), Márcia Guimarães (3631-0402, 3234-3322 e 99999-7222) e Ana Célia Ossame (99985-6048).

você pode gostar também