Desfile das escolas de samba do Rio é adiado

Nos próximos meses uma nova reunião deve decidir o futuro do Carnaval no Rio.

(Foto: Internet)

 

Em reunião nesta quinta-feira (24), os presidentes das escolas de samba e a Liesa optaram por não realizar a tradicional festa no mês de fevereiro, por conta da insegurança sanitária da pandemia do novo coronavírus.

A decisão, segundo a própria Liga, foi tomada prezando a segurança da população e a presença de público nos desfiles. Segundo o presidente da Liesa, Jorge Castanheira, “a ciência evoluiu bastante, mas não a ponto de nos dar a garantia de que em fevereiro a gente teria a população imunizada.”

Outra discussão levantada na reunião foi a possível data alternativa para acontecer a festa. De acordo com Castanheira, por mais que a ciência esteja avançando na busca por uma vacina, ainda não é possível definir uma data.

Os meses de abril e maio chegaram a ser especulados como os escolhidos, mas não houve confirmação.

Sobre a possibilidade de o Carnaval acontecer entre junho e julho, o presidente da Liga diz que é preciso avaliar, por conta de outros eventos como Olimpíadas e Copa América.

“A gente vai ter que analisar e ouvir as autoridades sanitárias. Estamos seguindo a regra definida pelas autoridades. Sabemos que, no momento, eventos de grande aglomeração não estão permitidos.”

Em entrevista após a reunião, o presidente disse que o modelo tradicional do desfile também está sendo discutido, já que pode não haver condições de público e aglomeração.

“As escolas estão trabalhando seus enredos. Tem também a possibilidade de trabalhar de forma alternativa o samba-enredo. Tudo está sendo analisado para dar sequência na preparação de um futuro espetáculo”, diz Castanheira.

A decisão para o adiamento foi unanime. Nos próximos meses uma nova reunião deve decidir o futuro do Carnaval no Rio.

 

Jaqueline Frizon e Elis Barreto, da CNN, no Rio de Janeiro

 

 

 

 

você pode gostar também