DIA DA VIDA RELIGIOSA

A missão profética da vida consagrada desafia a novas formas de presença na Igreja e na sociedade.

No terceiro domingo de agosto a Igreja convida os seus fiéis para falar, rezar e refletir sobre a Vida Religiosa Consagrada. Esta multidão de fiéis consagrados, espalhados por todo mundo, são uma presença marcante em toda a história da Igreja e da sociedade contribuindo com suas obras evangelizadoras, educativas, de saúde, caridade e de vida contemplativa.

A missão profética da vida consagrada desafia a novas formas de presença na Igreja e na sociedade. Diante de um mundo materializado e globalizado, o consagrado é chamado a desenvolver e a resgatar o sentido antropológico profundo do ser humano. Pela consagração religiosa, os consagrados colocam o centro de suas vidas, não nas coisas que passam, mas nas perenes sendo testemunhas da vida e da presença de Deus no coração da humanidade. A resposta da vida consagrada está antes de tudo, na prática alegre dos Conselhos Evangélicos ou votos de pobreza, obediência e castidade, como testemunha da força do amor de Deus na fragilidade da condição humana.

Diante do grito de tantos irmãos desprovidos das necessidades básicas de sobrevivência, a consagrada atesta que, aquilo que é visto como impossível pela maioria das pessoas torna-se, com a graça do Senhor Jesus, possível e verdadeiramente libertador.

O Papa Francisco desafia os religiosos a uma “Igreja em saída”. É preciso que os consagrados, estejam presentes no mundo de hoje, dando testemunho de que, seguir a Jesus Cristo, é viver a fraternidade, acolher a vontade de Deus e caminhar juntos em união, na comunidade de fé.  Este dizer do Papa é um apelo para a Vida Consagrada, na sua missão Apostólica, conforme o Carisma e a missão da Congregação.

A resposta da vida consagrada está na prática alegre, como testemunho da força do amor de Deus que os chamou e consagrou para doar sua vida em favor dos irmãos, vivendo a consagração na alegria e na certeza de que Deus completa a obra que é Dele. Na gratidão a Deus pelo Chamado e pela graça do Sim buscam fidelidade como proposta de servi-lo. A Palavra de Deus, a Eucaristia e a missão apostólica são o sustento da Vida Religiosa Consagrada.

A Comunidade Fraterna caracteriza a Vida Religiosa Consagrada. Ela é a fonte, o lugar de encontro, acolhida, partilha e solidariedade. São chamados a viver a radicalidade da missão recebida no Batismo. Sem a vivência comunitária, este modo de vida não teria sentido.

Que a Semana da Vida Consagrada nos ajude a redimensionar a nossa vocação e missão, na busca de “COMO MARIA, SER SINAL DO VINHO NOVO”

Parabéns muitas bênçãos e graças de Deus para todas nós.

 

Irmã Maria Helena Teixeira, Teóloga, Missionária, Escritora

Colaboradora JI

 

ASSUNÇÃO DE MARIA: plenitude do seu “ser visitante

 

“Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa”  (Lc 1,56)

 

Descobrimos o sentido da Assunção de Maria não tanto contemplando o céu, mas a terra. Na terra não veneramos a tumba de Maria, nem celebramos funerais por ela, ou em sua memória. Embora possa parecer estranho, os santuários onde se venera a memória de Maria são, para nós, não lugares funerários, mas fontes de vida, espaços onde a sentimos vivente, mãe, mulher do serviço, cuidadora nossa.

Ascenção, Assunção são dois nomes que damos a esta experiência de presença transformadora. Em Jesus, e a partir de Jesus, Maria também “é assunta” e se faz presente junto a seus filhos e filhas. Sua bendita presença nos abençoa e nos enche de graça.

Maria “foi assumida por Deus” porque “desceu” ao mais profundo da vida, comprometendo-se e sendo presença solidária. Ela viveu a “assunção” em todos os momentos de sua vida, de maneira especial, quando se deslocou em direção aos outros.

Por isso, o Evangelho, indicado para a festa de hoje, nos fala da “presença visitante” de Maria.

Maria fecha a porta de sua pequena casa em Nazaré e inicia, apressada, o caminho para a montanha, onde vivia Isabel. O impulso do seu coração movia velozmente seus pés. Este relato nos mostra o que é “visitar”.

Maria “saiu em visita” porque, antes, foi “visitada” pela presença surpreendente de Deus. Ela entrou no fluxo do “Deus visitador”, prolongando e visibilizando as visitas divinas. Ela foi “assunta” porque, nas suas “visitas”, ela “subiu e desceu” em direção aos outros, numa atitude de serviço gratuito.

Maria foi visitar; podia não ter ido. Isabel, com mais idade e grávida, seguramente estava bem atendida. Mas, Maria foi… para estar, escutar, partilhar, ajudar…

Visitar implica mover-se, para perto ou para longe, sair, pôr-se em marcha; abandonar o espaço de conforto, adentrar-se na realidade do(a) outro(a), na expectativa de que este(a) outro(a) abra a porta de seu espaço e de sua vida, entrando em profunda sintonia com quem o(a) visita.

É uma ação pessoal, uma atitude aberta, um estar atentos aos detalhes da vida próxima, do entorno. Visitar não conta nas estatísticas. É uma ação muito silenciosa que não requer estruturas organizativas, nem contratuais. Visitar exige irremediavelmente investir tempo, gratuitamente; quem tem tempo hoje para presenteá-lo desinteressadamente?

A pessoa visitada tem também sua vida “expandida”, pois, receber o(a) outro(a) implica mudar a rotina do seu cotidiano, acolher a nova presença que vem, dedicar atenção e escuta…

Se re-lemos com atenção o relato de Lucas, encontraremos Isabel, a prima de Maria, como protótipo de uma vida “visitada”, de uma existência que poderia fechar-se na pequena felicidade de sua fecundidade surpreendente; no entanto, ela abriu passagem a uma voz que vinha mais além dela mesma. Isabel escutou aquela voz e soube reconhecer Maria como a nova Arca da Aliança que carregava a salvação dentro dela. E Lucas realça o detalhe de que “a criança pulou de alegria no ventre de Isabel”.

Vamos nos deixar conduzir por Maria e vamos com ela “de visita” à casa de Isabel, para recuperar o sentido do “visitar” e “ser visitado” no nosso contexto atual.

Deus visita a nós e visita através de nós, assim como Ele nos visita por meio dos outros. Há uma infinidade de anjos mensageiros, cruzando nossos espaços cotidianos, inspirando-nos, ajudando-nos, movendo nossas vidas a saírem de seus lugares fechados, a romper muros, a ultrapassar fronteiras… A intolerância, o medo do diferente, a suspeita, o preconceito… são a morte de toda possibilidade de viver a “cultura da visita”.

Uma característica de nossa sociedade é o individualismo, o fechamento narcisista que nos centra e nos concentra em nosso “ego” como lugar preferencial de atenção, dedicação, cuidado e investimento de quase todas as nossas energias disponíveis. Neste contexto social em que vivemos, cada vez mais fragmentado e individualizado, as relações vão se tornando líquidas, restando as manifestações muito superficiais, reduzi-das, talvez, a um mero contato tecnológico através das redes sociais.

Temos a sensação de que, a partir de fora, tudo nos convida a viver auto-referenciados e surdos às vozes que nos vem do mais além de nós mesmos. Muitas forças externas a nós nos pressionam a reduzir nossa vida ao tamanho de um “bonsai”, a atrofiar os desejos até reduzi-los aos pequenos bens acessíveis e a conformar-nos com pequenas doses de prazer egoísta.

 

Mesmo numa vida fechada, também aí irrompem as “visitações”; Maria, a “visitante” e Isabel, a “visitada”, podem nos ensinar a reconhecer Aquele que nos visita e vem a nós escondido no humilde e insignificante.

Aquelas duas mulheres grávidas, Maria e Isabel, cheias e fé e grandes expectativas, envolvidas no silêncio da

promessa de Deus, se encontram e no mesmo instante do abraço, a palavra se faz presente com a intensidade da compreensão, da acolhida, da alegria e da intimidade partilhada.

A visita começa a dar fruto desde o primeiro instante se há uma boa predisposição. A atitude de quem vai ao encontro e quem acolhe é elemento primordial.

Elas estavam felizes. Isabel gritou de júbilo e “a criança saltou de alegria em seu ventre”. E Maria proclamou, exultante, a oração de louvor e agradecimento ao Deus da Vida. “O Magnificat recolhe a prece da orante que se descobre, desde a humildade, fecundada por seu Senhor dentro da História da Salvação” (Mari Paz Lopes).

O Magnificat é o grande resumo da experiência de Maria; Magnificat não é um parêntese: supõe tudo o que Maria viveu. É impossível conhecê-la sem saborear demoradamente estas palavras, que são a tradução dos seus sentimentos íntimos diante da nobre missão de ser a mãe do Salvador.

No Magnificat, Maria canta a sua própria história. E isso nos desafia a fazer o mesmo. Ninguém vive uma vida espiritual fecunda enquanto não for capaz de construir a relação com Deus como um diálogo vivo entre um “eu” e um “Tu”. A oração de Maria não é feita de fórmulas. Ela expõe a sua vida naquilo que diz.

Através do Magnificat Maria vai ter a oportunidade de prolongar o seu “sim”, revelando que conhece bem as suas implicações profundas. No Magnificat, Maria sai de seu silêncio e explica o que significa o seu consentimento a Deus. E faz isso da forma mais simples e verdadeira, interpretando primeiro a sua própria experiência de fé e ancorando-se, depois, naquilo que a História da Salvação lhe ensina sobre a ação de Deus e sobre a missão do Povo de Deus neste mundo.

 

Maria permaneceu em casa de Isabel “três meses e voltou para sua casa”. Moveu-se, investiu seu tempo e podemos imaginar quê maravilhosos três meses passaram juntas, vendo como a vida crescia dentro delas, cuidando-se, rin-do, partilhando…. Deixemo-nos inspirar por este “ícone da Visitação”.

 

Texto bíblicoLc 1,39-56

 

Na oração: Depois de empapar-se do evangelho deste dia

é preciso perguntar-se: “o que me inspira o ‘mo-vimento’ de Maria visitando Isabel? E se realmente, o fato de visitar, tem um significado em minha vida.

– Diante da situação pandêmica, quê outras formas de visita poderiam ser ativadas? São tantas as pessoas que estão esperando uma visita, mesmo virtualmente. Há muitas carên-cias de abraços e de afeto.

– Recorde aqui as obras de misericórdia: duas delas se referem ao fato de “visitar” – “enfermos e presos”.

MARIA DA PANDEMIA

 

Roberto Malvezzi (Gogó)

 

Maria da Pandemia,

Rogai pelos que estão entubados nos hospitais,

Buscando um pouco de ar para sobreviver,

Agonizando e morrendo na solidão.

 

Rogai por seus familiares e amigos,

Nessa hora de angústia,

Quando a dor é maior.

E a esperança menor.

 

Rogai pelos médicos, enfermeiras,

Profissionais da limpeza, religiosos,

Todos os que cuidam dos contaminados.

 

Livrai-nos da indiferença e dos indiferentes,

Dos adoradores da morte,

Dos que celebram as desgraças alheias,

Dos que deveriam ser os primeiros em responsabilidade

E se colocam de forma fria e sórdida diante desses tormentos.

 

Rogai para que Deus ilumine os cientistas,

Que seja encontrado rapidamente um caminho

Para neutralizar a ação do vírus.

 

Quando tudo passar,

Que o ar permaneça limpo,

Que as águas permaneçam puras,

Que as florestas permaneçam em pé,

Que nossas ruas tenham o silêncio da paz,

Que nosso céu permaneça azul

Que todas as formas de vida continuem celebrando sua liberdade

Que a humanidade aprenda que a Terra não é lugar só da humanidade.

Que todos vivemos em uma Casa Comum

Amém!

 

 

Por Irmã Maria Helena Teixeira, Teóloga, Missionária, Escritora

Colaboradora JI

Foto: Arquivo JI

 

 

 

você pode gostar também