Campanha Caburi

Eita arigós fi-duma égua…

Se orientais, europeus, gregos e americanos fincaram raízes neste chão, um tanto de arigós também. A rua João Melo é prova disso.

 

Homens, mulheres e crianças – fugidos dos impiedosos castigos dos sertões nordestinos -, chegaram com malas abarrotadas de sonhos e mudança de novas perspectivas. Gente do trabalho que, na cidade, se identificou com o comércio. Cearenses prestamistas, criadores, donos de lojas e mercearias  povoaram bairros e o centro da  nossa ilha.

Chico Júlio, Expedito, Macedo, Mesquita, Mororó e tantos outros. Eita arigós fi-duma égua (rs) contemporâneos da minha infância da rua João Melo. Arigós que em grande quantidade chegaram e na mesma proporção partiram.

Uns quase analfabetos, mas ‘doutores’ na arte da matemática. Pessoas que venceram na vida através do trabalho e estão com seus nomes fincados na história. Contribuíram, significativamente, com o desenvolvimento da cidade e suas raízes ainda prosperam. Arigós em nova geração, longe das fases primitivas de  seus ancestrais, mas com os mesmos ideias de vencer na vida com próprio suor.

 

Aroldo Bruce, jornalista

Colaborador JI

você pode gostar também