Estado

Em livro, Obama descreve encontros com Lula e Dilma

Ele narra a reunião com Lula no Salão Oval da Casa Branca em março de 2009, e conta que ficou impressionado com ele.

Lula e Obama em encontro durante reunião do G20 em 2010 (Foto: Ricardo Stuckert/PR)

 

No primeiro volume de sua nova autobiografia, “Uma Terra Prometida”, lançado nesta terça-feira (17), Barack Obama lembra seus encontros com os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, com observações curiosas.

Ele narra a reunião com Lula no Salão Oval da Casa Branca em março de 2009, e conta que ficou impressionado com ele. Diz que o presidente brasileiro realizara uma série de “reformas pragmáticas” que desencadearam forte crescimento econômico no Brasil. Mas lembra também que ele tinha a reputação de “ter os escrúpulos de um chefe de Tammany Hall” (referência aos “donos” que mandavam no Partido Democrata no passado) e “circulavam rumores sobre clientelismo, comissões, propinas que somavam bilhões”.

No mês seguinte, em abril, ele apresentaria Lula para o primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd: “Esse é o cara. Eu adoro esse cara. É o político mais popular da Terra”. (Obama não lembra isso no livro, mas eu lembro: cobri aquela cúpula do G-20 em Londres.)

Obama conta que foi avisado de que as forças do ditador líbio Muamar Kadafi estavam avançando sobre Benghazi quando o Air Force One pousou em Brasília, em 19 de março de 2011, em sua primeira viagem à América do Sul. Seu secretário de Segurança Nacional, Thomas Donilon, avisou que provavelmente ele teria que ordenar uma ação militar na Líbia.

Obama observa no livro que ordenar esse tipo de ação já não é bom estando em outro país, e que as coisas nesse caso eram ainda mais delicadas porque o Brasil tinha uma tradição de não-ingerência e o governo Dilma Rousseff tinha se abstido na votação do Conselho de Segurança da ONU que autorizara a intervenção da Otan na Líbia. (Eu estava em Benghazi naquele momento, e eram 25 km de armamento pesado a caminho para destruir a cidade de 1 milhão de habitantes.)

Obama diz que Dilma e seus assessores o receberam calorosamente no Palácio do Planalto, que ele descreve como “uma estrutura arejada, moderna, com colunas aladas e paredes altas de vidro”. Tinham interesse em intensificar as relações comerciais, explica ele.

Mas Obama estava preocupado com a Líbia e pediu desculpas a Dilma. “Ela deu de ombros, com os olhos castanhos fixos em mim e uma mistura de ceticismo e preocupação”, lembra Obama. E disse, em português: “A gente dá um jeito. Espero que este seja o menor dos seus problemas”.

Não foi. Para ordenar a ação militar, Obama precisava falar com o chefe do Estado-Maior Conjunto, almirante Michael Mullen. Depois da reunião com Dilma, ele se retirou para uma sala ao lado no Palácio do Planalto. Mas o equipamento de conexão de alta segurança que a equipe da Casa Branca trouxera não estava funcionando.

Dez minutos se passaram, e havia outra reunião com os brasileiros. Obama perguntou se o celular de seu chefe de gabinete, Bill Daley, tinha bateria suficiente. “O quê?”, surpreendeu-se Daley. “Não vai ser uma conversa longa”, tranquilizou-o Obama. Daley discou o número de Mullen e passou o celular para o presidente: “Mike, você me ouve? Você tem minha autorização”. E assim a primeira intervenção militar do governo Obama foi ordenada de uma linha não-segura, de dentro do Palácio do Planalto.

Em geral Obama cita o Brasil no contexto dos Brics (que reúne também Rússia, Índia, China e África do Sul). Diz que tinha curiosidade de saber se o bloco poderia exercer um papel na governança global. Ele conta que, na Conferência sobre Mudança Climática das Nações Unidas em Copenhague, em dezembro de 2009, sentiu que os Brics tinham voto suficiente para “matar o acordo”.

Obama relata a tensa reunião com os então primeiros-ministros da China, Wen Jiabao, e da Índia, Manmohan Singh, e os presidentes Lula e Jacob Zuma, da África do Sul. Obama explicou que tinha acabado de se reunir com os governantes europeus e eles haviam se comprometido com as metas de redução dos gases do efeito estufa se houvesse um mecanismo confiável de verificação.

“Wen e Singh se mantinham impassíveis, enquanto Lula e Zuma olhavam constrangidos para os papéis na frente deles”, descreve Obama, referindo-se ao esboço proposto por americanos e europeus.

Um por um, os quatro líderes responderam que “o Tratado de Kyoto estava funcionando bem, que o Ocidente era o responsável pelo aquecimento global e agora esperava que os países pobres impedissem seu desenvolvimento para resolver o problema”. E que o planos dos americanos e europeus violavam o princípio das “responsabilidades comuns mas diferenciadas” e o mecanismo de verificação atropelava sua soberania.

Obama se dirigiu a Wen, dizendo que o Congresso americano e os parlamentos europeus, canadense e japonês não aprovariam um plano pelo qual as indústrias de seus países perderiam competitividade e ainda dariam dinheiro para os países pobres lidarem com a mudança climática enquanto os maiores poluidores ficavam de fora. E que a China poderia até conseguir culpar os EUA pelo fracasso do acordo, mas isso não impediria o planeta de continuar esquentando.

O ministro do Meio Ambiente chinês respondeu algumas coisas em mandarim. Obama pediu que a intérprete traduzisse, mas Wen atalhou dizendo que o que o ministro tinha dito não era importante. E pediu para estudar os termos do acordo. Os chineses embarcaram.

“Tenho que te falar, chefe”, disse a Obama seu assistente pessoal, Reginald Love, no voo de volta para Washington. “Aquilo foi coisa de gângster.”

Por Lourival Sant’Anna/CNN

 

você pode gostar também