Empresário é preso em Manaus suspeito de aplicar golpe milionário

Uma das vítimas de Otávio Almeida Costa, 43, teria perdido R$ 1,5 milhão (Foto: Winnetou Almeida)

 

 

 

O empresário identificado como Otávio Almeida Costa, 43 anos, foi preso na manhã desta quinta-feira (18) em cumprimento de mandado de prisão pelo crime de estelionato. A prisão foi efetuada por policiais civis da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (Derfd) onde o suspeito morava em um condomínio de luxo localizada no bairro Tarumã, Zona Oeste de Manaus.

Segundo o adjunto da especializada, delegado Demetrius Queiroz, Otávio afirmava às vítimas que havia ganhado várias licitações e alegava não conseguir gerir os contratos. Por conseguinte, a vítima investia dinheiro na empresa dele em troca de lucro. A última vítima do suspeito teve um prejuízo de R$ 1,5 milhão em empréstimos. Não havia licitação ganha e muito menos contratos.

“Ele é um empresário muito bem relacionado, vivia uma vida luxuosa, em uma mansão, dirigia carros importados, então ele conseguia convencer as vítimas que a empresa dele havia ganhado várias contratos licitatórios. A vítima investia dinheiro na empresa dele para participar dos lucros finais dos contratos, daí começaram as fraudes”.

Além desse caso, em que foi expedido o mandado de prisão preventiva pela 9º Vara Criminal, Otávio possuía quatro Boletins de Ocorrência pelo mesmo crime, onde vítimas emprestavam dinheiro a ele.

“Os BOs anteriores totalizam aproximadamente R$ 300 mil e o último, conseguiu lucrar R$ 1,5 milhão no qual ele ainda deu um cheque no nome dele como garantia, daí nós representamos pela prisão preventiva e foi expedido o mandado e de busca ontem, hoje pela manhã rapidamente os policiais cumpriram os dois mandados”.

Além de documentos falsos apresentados, ele possuía um certificado internacional de Conde. Otávio Almeida foi indiciado por estelionato. Ao término dos procedimentos na especializada, o homem será levado para o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM) onde ficará à disposição da Justiça.

Karol Rocha/Portal A Crítica

você pode gostar também