Escolas no Amazonas estão sem aula de reposição, denuncia sindicato

Seduc investiga acordos internos feitos para que a reposição não ocorra nas escolas onde houve greve (Foto: Divulgação)

 

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinteam) protocolizou no Ministério Público (MP-AM) um pedido para que o órgão fiscalize o cumprimento efetivo do calendário de reposição de aulas na rede estadual de ensino. A presidente do sindicato, Ana Cristina Rodrigues, afirma que tem recebido diversas denúncias sobre acordos internos que estão ocorrendo nas escolas onde houve greve para que a reposição não ocorra, prejudicando os estudantes.

Um dos itens do termo de entendimento firmado durante a greve dos trabalhadores em Educação entre o Sinteam, Assembleia Legislativa (ALE-AM) e governo se referia à organização de um calendário único de reposição de aulas nas escolas onde aconteceu paralisação total ou parcial, o que, segundo Ana Cristina, não está ocorrendo.

Em nota, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc-AM) afirmou que todas as denúncias sobre o não cumprimento estão sendo apuradas e que tem total interesse na participação do Ministério Público no processo de fiscalização do cumprimento do calendário, que, inclusive, foi apresentado para a 59ª Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos à Educação (Prodhed) logo que definido.

A secretaria reconhece problemas com as aulas de reposição que foram causados principalmente pela baixa adesão dos alunos em algumas escolas. Informou que tem reforçado não só a fiscalização, mas também a mobilização de pais e alunos para que estes se façam presentes nos dias marcados para reposição, uma vez que a ausência representa falta e perda de conteúdo. Para a Seduc-AM, o sindicato pode contribuir na fiscalização e mobilização.

 

Portal A Crítica

 

você pode gostar também