Estado de abandono do CAPS é denunciado por enfermeiro

O transbordamento da fossa asséptica do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS – Adolfo Lourido) e os transtornos ocasionados foram denunciados nesta quarta-feira, dia 03 de fevereiro, pelo enfermeiro Roberto Pessoa. Em uma publicação no Facebook, Roberto postou fotos que mostram o transbordamento da fossa que atinge a área externa do prédio e cozinha do CAPS. Ele classifica como terrível e insuportável o mau-cheiro oriundo da fossa.

Post Beto Pessoa

Segundo o enfermeiro, a situação vem se arrastando por três anos e até mesmo os recursos para desenvolver as atividades cotidianas do Centro sempre foram escassos. “A desculpa, era que não podiam gastar muito, porque tinha que economizar pra reformar o prédio do caps”, relatou em um trecho de sua postagem.

No final de sua postagem, Roberto fez um alerta sobre os perigos que o transbordamento da fossa oferece. “Só pra alertar que lá tambem existe poço artesiano que abastece o bairro da Santa Clara e essa água da fossa asséptica pode está tendo contato. É triste ver essa situação”, finalizou.

Inaugurado no dia 20 de novembro de 2005, o CAPS Adolfo Lourindo foi o primeiro centro de referência em saúde mental do Amazonas, com o intuito de promover a socialização dos usuários com educação, esporte, trabalho, cultura e lazer. Com a falta de estrutura, além da quantidade de funcionários reduzida que inviabiliza atendimentos, as atividades desenvolvidas no Centro ficaram comprometidas.

Daniel Sicsú/JI

 

você pode gostar também