Campanha Caburi

Garantido abre licenciamento para empresas comercializarem produtos oficiais

A diretoria do Boi Garantido abriu a oportunidade para empresas poderem revender os produtos como camisas, bonés, canecas, chaveiros, entre outros, por meio de licenciamento da marca do bumbá. Desde ao ano passado a diretoria do Garantido contratou a empresa Ben Marketing para patentear todas as marcas oficiais da entidade folclórica. Em Parintins já foram licenciadas as empresas MG, Lojão Popular e Gráfica João XXIII. As empresas que queiram se licenciar junto ao Garantido, o período de inscrição limite, até o momento, é 31 de maio.

O presidente do Garantido, Adelson Albuquerque, assegura que o boi trás uma forma inovadora de controlar o mercado de produtos licenciados. Ele explica que a primeira decisão tomada pela diretoria foi restringir o termo “produto oficial”, ou seja, somente o Garantido tem o direito de utilizar essa marca. “Qualquer outra empresa tem que adquirir os produtos no atacado para poder revender. A outra modalidade de comercialização de produtos do Garantido é através dos produtos licenciados”, afirma Albuquerque.

De acordo com o diretor da Ben Marketing, Roberto Peggy, os produtos oficiais do Garantido têm uma característica onde o design das camisas e bonés é de exclusividade de quem está licenciando, ou seja, da Associação Folclórica Boi Bumbá Garantido. “Uma empresa não pode pegar um layout do Garantido e fazer uma réplica e dizer que é oficial. O Garantido não licencia esse tipo de produto. O produto é um design próprio do fabricante, neste caso o Garantido, onde ele licencia cada produto recebendo um royalty por peça licenciada”, explica.

O vice-presidente do Garantido, Fábio Cardoso, responsável pelo licenciamento de produtos do bumbá em Parintins, juntamente com os diretores Ray Garcia e Francy Lima, diz que o processo para ter direito ao licenciamento começa com o preenchimento de uma ficha cadastral. Cardoso esclarece que o Garantido só terá relacionamento comercial para fins de licenciamento de produtos com pessoas jurídicas. “Pessoa física não pode adquirir, nem o licenciamento e nem o produto oficial para a revenda. Com essa ficha cadastral é gerado um contrato de licenciamento de uso da marca, e com o contrato um alvará de licenciamento para o exercício 2015”, pontua Fábio.

Fábio Cardoso ressalta que a taxa para adquirir o Alvará é de R$ 2 mil, incluindo inicialmente 500 peças com sistema de autenticidade com o lacre e tag/etiqueta explicando sobre a origem do produto. “Cada Alvará terá um número de registro. No momento em que a empresa adquire o Alvará ela vai pode fazer tanto o licenciamento de produtos, como a comercialização dos produtos oficiais nos pontos de venda”, frisa.

Outra questão explicada por Fábio Cardoso é que as empresas que possuem pontos de vendas credenciados do mesmo grupo empresarial, com o alvará vão poder credenciar esses pontos de vendas com uma simples cópia do alvará autenticada em cartório e devidamente registra. “Com isso vamos restringir a pirataria da marca Garantido e ter controle sobre nossos produtos”, destaca.

você pode gostar também