Governo do Estado continua revitalização de vias em Parintins

Cerca de R$ 8 milhões estão sendo investidos na cidade

O trabalho de recapeamento e melhoria nas ruas de Parintins realizado pela Secretaria de Infraestrutura do Estado (Seinfra), por meio da empresa Tercom Terraplanagem Ltda, avança em toda a cidade. Desde o início do ano, os bairros de Djard Vieira, Itaúna I, Itaúna II, Paulo Correa e Conjunto João Novo foram beneficiados pelas ações realizadas pelo Governo do Estado.

A ação denominada “Recapeamento asfáltico de vias urbanas (etapa 1)” já revitalizou ruas com grande fluxo de veículos e pedestres que estavam intransitáveis. Entre elas, destaca-se a rua Massaranduba e um trecho estrada do Macurany que foram totalmente recapeadas.

Em uma rede social a secretaria da Seinfra, Waldivia Alencar, disse que o Governo foi fundamental para a conclusão de melhorias feitas na avenida Paraíba e que o recapeamento das ruas está sendo feito com recursos próprios do Estado. A secretária ressaltou também que a execução dos trabalhos é realizada de maneira autônoma, sem qualquer auxílio da Prefeitura de Parintins.

Desde fevereiro, diversas vias foram contempladas com as ações de recapeamento. De acordo com o contrato firmado com a empresa Tercom, mais de R$ 8 milhões serão investidos em asfaltamento, em um período de 240 dias de execução.

 

 

Saúde entregue às baratas

 

Procurar centros saúde e hospitais em casos de emergência tornou-se motivo de dor de cabeça em Parintins. Reclamações sobre mal atendimento, ausência de remédios nas farmácias de postos e falta de médicos são constantes.

Uma fonte do Jornal da Ilha revelou que a situação do sistema público de saúde em Parintins é mais grave do que parece. De acordo com ela, não há produtos básicos como soro e gaze em diversos postos.  Os próprios pacientes compram os produtos para que o curativo seja feito.

A reportagem apurou que após a ameaça de fechamento, pouca coisa melhorou no Hospital Padre Colombo. Não há pediatra atendendo na emergência do hospital e pacientes reclamam da demora no atendimento em decorrência de haver somente um médico fazendo plantão.

Em uma ordem expedida pela direção do Hospital Padre Colombo no dia 26 de maio, determinou-se que, devido as péssimas condições de conservação da ambulância, fica vetado a sua utilização para socorrer pacientes. Segundo um funcionário que não quis se identificar por medo de retaliações, a ambulância do Padre Colombo estava trafegando sem freios, sirene e oxigênio.

Pessoas que solicitaram auxílio de ambulância revelam que tanto o Hospital Padre Colombo quanto o Jofre Cohen não estão transportando pacientes. A única ambulância em funcionamento é a do Corpo de Bombeiros, que atualmente dá suporte no socorro de vítimas de acidentes de trânsito.

 

 

 

Daniel Sicsú/JI