Gov-01

IBGE adia Censo de 2020 para 2021 por causa do novo coronavírus

Para a realização do censo, o IBGE abriria mais de 200 mil vagas temporárias, com salários a partir de R$ 1.700.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou nesta terça-feira (17) que adiou para 2021 a realização do próximo Censo Demográfico, em razão da pandemia do novo coronavírus (Foto: Licia Rubinstein/Agëncia IBGE)

 

O levantamento, que a cada dez anos mapeia a população brasileira a fim de basear políticas públicas nas mais diversas áreas, estava previsto para acontecer neste ano.

“A decisão leva em consideração a natureza de coleta da pesquisa, domiciliar e predominantemente presencial, com estimativa de visitas de mais de 180 mil recenseadores a cerca de 71 milhões de domicílios em todo o território nacional”, afirmou o IBGE, em nota.

Além da dificuldade prática com a pesquisa, o instituto afirmou que seria impossível realizar em tempo hábil os treinamentos necessários, que aconteceriam entre os meses de abril e julho. Para a realização do censo, o IBGE abriria mais de 200 mil vagas temporárias, com salários a partir de R$ 1.700.

Com o adiamento do Censo, o processo seletivo está suspenso. De acordo com o instituto, aqueles que já efetuaram o pagamento da inscrição serão reembolsados. As orientações para o reembolso serão divulgadas nos próximos dias.

Troca de verbas

O IBGE informou que o orçamento que havia sido determinado para custear o levantamento será transferido para o Ministério da Saúde, para ser utilizado em ações de enfrentamento ao novo coronavírus.

Segundo o instituto, será uma troca de verbas, com a pasta dirigida por Luiz Henrique Mandetta (DEM) se comprometendo a devolver o valor idêntico ao IBGE para ser utilizado no censo do ano que vem. A coleta de dados ficou marcada para o período entre 1º de agosto e 31 de outubro de 2021.

PNAD Contínua

O IBGE também decidiu suspender a coleta domiciliar presencial da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua). A decisão foi tomada levando em consideração o quadro de emergência em saúde pública causado pelo novo coronavírus e as orientações do Ministério da Saúde.

O instituto diz que estuda alternativas para que a pesquisa possa ser feita sem a realização de visitas domiciliares. O órgão destacou, no entanto, que os padrões de qualidades serão mantidos. “Toda e qualquer opção ou possibilidade será antes testada e validada para assegurar os padrões de qualidade e excelência do corpo técnico do IBGE, buscando preservar a série histórica dos dados”, apontou em nota.

De acordo com o IBGE, a PNAD Contínua acompanha as flutuações trimestrais e a evolução, no curto, médio e longo prazos, da força de trabalho, e outras informações necessárias para o estudo do desenvolvimento socioeconômico do país.

 

https://www.cnnbrasil.com.br/

Agência Brasil

 

 

você pode gostar também