Nova presidência da CNBB tomará posse no encerramento da AG

Aparecida (RV) – A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, tem uma nova presidência. Como novo presidente, no lugar de Dom Raymundo Damasceno Assis, foi escolhido o Arcebispo de Brasília (DF), Dom Sérgio da Rocha, eleito na manhã de segunda-feira (20/04). O novo presidente foi escolhido ainda no primeiro escrutínio, após receber 215 votos, superando assim os 196 que correspondem aos dois terços necessários para a eleição. Já como Vice-presidente foi escolhido o Primaz do Brasil, Arcebispo de Salvador (BA), Dom Murilo Krieger. Foi confirmado como Secretário-Geral, Dom Leonardo Steiner.

Apesar de Dom Sérgio ter sido um dos bispos mais cogitados desde o início da 53ª Assembleia Geral, o Arcebispo metropolitano da Arquidiocese de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha, que presidiu a CNBB entre os anos de 2007 e 2011, considera o resultado surpreendente:

“Ser eleito logo no primeiro escrutínio é de fato surpreendente. (…) Para ser eleito, é necessário pelo menos dois terços dos votos apurados. Atingir esse percentual tão elevado mostra o consenso em torno do nome de Dom Sérgio, porque foi de fato com muita sabedoria e na luz do Espírito Santo. Dom Sérgio é uma pessoa muito sensata, muito equilibrado, muito firme, de posições claras e definidas, muito cordial, tem todas as qualidades para ser um excelente presidente da CNBB”.

Dom Geraldo Lyrio acredita que o arcebispo de Brasília deverá dar continuidade à gestão atual de Dom Raymundo Damasceno Assis, cardeal arcebispo de Aparecida. “Na Igreja não há ruptura entre uma eleição e outra, há continuidade, é cada um trazendo sua contribuição pessoal”, explicou. A continuidade a que se refere deve-se às Diretrizes Gerais para Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, aprovadas no último sábado (18). “Só depois de aprovadas as diretrizes, passamos a eleger aqueles que vão colocar em prática o que a Assembleia já decidiu”, concluiu.

Foi nomeado bispo pelo papa João Paulo II em 2001, como auxiliar de Fortaleza (CE) e sua ordenação episcopal foi realizada em agosto do mesmo ano, na Catedral de São Carlos (SP), pelos bispos ordenantes dom José Antônio Aparecido Tosi Marques, dom Joviano de Lima Júnior e dom Bruno Gamberini.

Em janeiro de 2007 o papa Bento XVI o nomeou como arcebispo coadjutor da arquidiocese de Teresina (PI). Também pelo papa Bento XVI, em 2011, foi nomeado para arcebispo metropolitano de Brasília.

Dom Sérgio tem como lema episcopal “Omnia in Caritate” – “Tudo na caridade”.

Eis o que disse à Rádio Vaticano logo após ser escolhido como novo presidente da CNBB.

Já o Arcebispo de Salvador (BA) e Primaz do Brasil, Dom Murilo Sebastião Krieger, foi eleito vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na tarde desta segunda-feira por maioria absoluta, no terceiro escrutínio, após receber 199 do total de 286 votos válidos.

Com o lema episcopal “Deus é amor” (Deus caritas est), Dom Murilo é o 15º vice-presidente eleito em Assembleia Geral, para o quadriênio de 2011 a 2019. Durante a 49º Assembleia Geral da CNBB de 2011, foi eleito membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Campanha para a Evangelização da CNBB.

Dom Murilo é autor de dez livros publicados por editoras nacionais, entre eles destaca-se sua última obra “Anunciai a Boa Nova” e “Alegre-se: Deus é amor”.

Nós também conversamos com o novo Vice-presidente da CNBB o Primaz do Brasil, Arcebispo de Salvador (BA), Dom Murillo Krieger.

Já Dom Leonardo Ulrich Steiner, foi reeleito Secretário Geral da CNBB. Ele foi reeleito no segundo escrutínio, realizado no final da última sessão de trabalhos de ontem. Dom Leonardo recebeu 228 votos. Seu lema episcopal é: “Verbo feito de carne”.

Com a eleição de Dom Leonardo, fica completa a nova Presidência da CNBB.

Eis o que nos disse Dom Leonardo logo após a sua reeleição.

A nova Presidência toma posse na próxima sexta-feira, dia 24, na sessão de encerramento da 53ª Assembleia da CNBB, quando atenderá à imprensa.

A semana de eleições prossegue com a escolha dos presidentes das 12 Comissões Episcopais Pastorais.

Ainda na sessão da tarde de ontem, os bispos participaram de trabalho de grupo para recolher novas contribuições para o tema do Sínodo sobre a Família. Deste encontro, espera-se de encaminhar avaliações sobre a realidade das famílias no Brasil e contribuições a serem encaminhadas paras os membros do Sínodo. Na reunião, feita por regionais da CNBB, saíram também nomes como sugestão para a eleição dos delegados para o Sínodo de outubro, em Roma.

A 14ª Assembleia Geral ordinária do Sínodo dos Bispos será realizada de 4 a 25 de outubro de 2015, com o tema “A vocação e a missão da família na Igreja, no mundo contemporâneo”.

 

 

Irmã Maria helena Teixeira

Colaboradora JI

você pode gostar também