Carnailha 2020

Opinião | Qual o impacto de zerar impostos dos combustíveis

“Eu zero o imposto federal, se eles zerarem o ICMS dos combustíveis. Está feito o desafio aqui agora. Se topar, eu aceito”, afirmou Bolsonaro a jornalistas na saída do Palácio da Alvorada.

Depois de anunciar no domingo (2) que enviaria uma proposta ao Congresso Nacional para alterar a forma de tributação do ICMS dos combustíveis – o que gerou reação imediata dos estados –, o presidente Jair Bolsonaro passou a responsabilidade para os governadores ao propor o seguinte desafio:

“Eu zero o imposto federal, se eles zerarem o ICMS dos combustíveis. Está feito o desafio aqui agora. Se topar, eu aceito”, afirmou Bolsonaro a jornalistas na saída do Palácio da Alvorada.

À risca

O desafio do presidente, se for cumprido à risca, provocará uma redução média de pelo menos 44% no preço da gasolina. Hoje, a tributação de ICMS pelos estados representa 29%, em média, do preço final da gasolina. Há ainda mais 15% de tributos federais – PIS/PASEP, Cofins e Cide.

Dificuldade financeira

A proposta do presidente Bolsonaro, apesar de ter potencial para reduzir os preços dos combustíveis, esbarra na situação financeira dos estados, que estão pedindo socorro à União para equilibrar suas contas.

Blefe populista

A proposta não foi bem recebida nos estados. A maioria dos governadores tratou o assunto como um blefe populista e irresponsável de Bolsonaro, que proporcionalmente tem uma perda muito menor que os estados na arrecadação.

Além disso, é unânime entre os governadores que o melhor caminho para tratar o assunto e através do dialogo, planejamento e sensatez.

Doido e meio

Agora já imaginou os governadores se reunirem e dizerem: tá bom, vamos zerar gradativamente. Zera aí primeiro pra mostrar que tá falando a verdade.

Até porque já dizia o ditado: “Dar o exemplo não é a melhor maneira de influenciar os outros. É a única.”

Trincheira

A primeira reunião do ano da bancada federal do Amazonas em Brasília, foi unânime. A principal pauta de 2020 é garantir que a Reforma Tributária não prejudique a Zona Franca de Manaus.

Reconduzido

A reunião também foi marcada pela recondução do senador Omar Aziz, pelo 4º ano seguido, à coordenação da bancada em Brasília.

Decreto vai sair

Ontem quem teve agenda com o presidente Bolsonaro foi o superintende da Suframa, Coronel Alfredo Menezes que afirmou que o decreto que vai garantir a competitividade do polo de concentrados vai sair.

Menezes também alinhou detalhes com Bolsonaro sobre a participação do presidente na primeira reunião do CAS que irá acontecer no dia 20 de fevereiro e apresentou os números positivos do Polo Industrial e dos avanços conquistados na geração de emprego e faturamento gerados pela ZFM.

#400 dias

Quem esteve presente na cerimônia do evento que marcou os 400 dias do governo Bolsonaro foi o deputado Josué Neto. Em um registro em suas redes sociais, ao lado da ministra Damares Alves, o presidente da Aleam circulou bem a vontade ao lado de ministros e pessoas de confiança do presidente.

Bolso cheio

O prefeito Arthur Virgílio anunciou a antecipação do salário dos servidores municipais do mês de fevereiro.

“Quero que os funcionários da prefeitura curtam seu carnaval com o bolso forrado de dinheiro.”, disse o prefeito que afirmou que a medida só foi possível graças a uma gestão organizada fiscalmente.

Negado

A Mesa Diretora da Aleam rejeitou o pedido de impeachment contra o governador Wilson Lima, e o vice-governador do Estado, Carlos Almeida, que foram denunciados por crimes de responsabilidade e improbidade administrativa pelos deputados Wilker Barreto e Dermilson Chagas em dezembro de 2019, por ausência de fundamento na denúncia.

 

Fale com a gente:

WhatsApp: 92 98413-2214

 

Saiba tudo que está rolando na política do Amazonas e do Brasil. Acesse www.diretoaopontonews.com.br

 

você pode gostar também