PARAISO TERRESTRE, SAUDADE OU ESPERANÇA?

Na história da criação o primeiro homem e a primeira mulher foram colocados no “Éden”, que significa “Paraíso das Delícias”. Ambos caminhavam felizes de um lado para outro e contemplavam aquela beleza sem perceber que ali estava toda felicidade; não precisavam fazer nada.

Porém, o Criador colocou duas árvores no meio daquelas maravilhas, ambas com deliciosos frutos, sendo que uma era do bem e a outra do mal. Como seres humanos, não se contentaram em viver na obediência e submissos à vontade do Criador. Foi então que a serpente astuta e traiçoeira, personificação do mal, levou aquelas ingênuas criaturas a pensarem diferente, a saírem da rotina paradisíaca para serem eles os donos, os proprietários de tudo aquilo, com um simples ato de desobediência. “Vocês podem ser como Deus”! Eis então que cedem à voz da víbora e se apercebem diferentes.

O texto bíblico relata que começaram a sentir medo, estavam nus, surgiu a vergonha um do outro, do próprio Deus e se esconderam. “Ouvi a tua voz no Jardim, fiquei com medo, porque estava nu, e me escondi” (Gn3,10). O medo e a vergonha aparecem como consequência da ganância e do orgulho de decidir sobre o que é bom e o que é mal. Eles mesmos se tornam o critério para decidir, ou seja, acham que podem fazer o que bem entendem. Numa atitude de total egoísmo acabam com a felicidade, a paz interior, e são colocados para fora do Paraíso. A serpente rastejando-se no pó da terra para sempre e o homem e a mulher enfrentando a dureza da vida, sujeitos a todo tipo de fragilidades. Terão lugar no paraíso sim, porém não mais como antes.

Quando a sociedade moderna vai entender que o paraíso começa aqui! Sem batalhas e exploração, sem poder e opressão dos poderosos, sem privilégios e artimanhas para dominar e tirar vantagens de todo tipo sem importar de quem seja. O paraíso terrestre é para todos! O Paraíso Celeste é para os que souberem entrar pela porta estreita do amor solidário, da justiça social, da humanização do homem e da mulher, da dignidade de seres criados a imagem e semelhança de Deus, por amor e para amar.

Somente aqueles que não se deixam levar pela serpente da manipulação do bem comum, para tirar benefício próprio, terão lugar no Paraíso Celeste.  “Largo é o caminho da perdição”, diz o Senhor Jesus em Mateus sete versículo 13; e são muitos os que entram por ele.

Você não precisa sentir vergonha, nem medo, não precisa se esconder, se esquivando do rosto amoroso de Deus, quando as tuas mãos e a tua boca se mancharem comendo o fruto proibido. Como teve a coragem de ser injusto, corrupto, malvado, enganador, trapaceiro, sujando as mãos e a consciência, tenha a mesma coragem e saia de trás dos esconderijos humanos, das máscaras de proteção, do farisaísmo hipócrita de puras aparências.

Que ao menos sinta o desejo de voltar e, nos braços Daquele que te criou, encontrar a paz e as delícias do paraíso perdido. Não se esconda. Não precisa ficar nu e sentir vergonha para ter direito e lugar na sociedade. Viva a vida sem preconceitos, sem querer ser o que você não é. Seja você mesmo. Busque não só os teus desejos, olhe ao seu redor e ame a cada um. Ame a todos, ame sempre, porque o paraíso começa aqui.

 

Irmã Maria Helena Teixeira

Colunista JI

Imagem:Internet

você pode gostar também