Parintins festeja sua Santa Padroeira

Com o Tema “MARIA, MÃE DA IGREJA EM SAÍDA” e o Lema “SAL DA TERRA E LUZ DO MUNDO” (Mt5,13-14), a Diocese de Parintins encerra os 10 dias de festa em honra à Nossa Senhora do Carmo.

“Certamente será um tempo para acolhermos as bênçãos da Virgem do Carmelo, que derrama como em chuva de graças o seu amor sobre todos os que a Ela recorrem como intercessora”, disse o pároco da catedral, Rui Canto.

Foram 10 dias de intensas atividades nas partes religiosa e social, reunindo uma multidão de fiéis diariamente. Nesta segunda-feira, dia dedicado à Nossa Senhora do Carmo, haverá missas às 06h, 08h, 10h, 12h (tradicional missa de todos os meses, com a oferta de 1k de alimento não perecível), e às 17h a Procissão Solene com saída e retorno à Catedral para a Santa Missa.

Um grande show da cantora Juliana de Paula (da Canção Nova) e o Bingão da Festa com 1 carro 0km de prêmio, encerram a parte social do Arraial da Festa.

Considerada a segunda maior manifestação religiosa do Norte do Brasil, a festa em honra a Nossa Senhora do Carmo recebe total apoio da Prefeitura de Parintins. No evento que ocorre até a segunda-feira, 16 de julho, o Município auxilia com estrutura de palco, som, iluminação, aluguel de barracas e trio elétrico, além da contratação de banda musical e disposição de estrutura de segurança com os guardas municipais.

A grande festa teve início no dia 6 com a chegada do Círio Fluvial (foto:Divulgação)

O grandioso evento Romaria das Águas emocionou a todos na tarde de sábado, 14.

A chegada do Andor da Santa na noite de domingo, 15, reuniu milhares de devotos.

O bispo diocesano Dom Giuliano Frigenni celebrará a Missa Solene deste dia 16.

(fotos:Divulgação/Internet/facebook)

 

CONHEÇA A HISTÓRIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO – A VIRGEM DO CARMELO.

(Foto: Paulo Sicsu)

O nome de Nossa Senhora do Carmo está totalmente ligado a região do Monte Carmelo (em hebraico, “carmo” significa vinha; e “elo” significa senhor; portanto, “Vinha do Senhor”). Foi ali que os profetas Elias e Eliseu se refugiaram, tornando o lugar o cenário de um dos acontecimentos mais importantes do Antigo Testamento e onde se reuniram e juntos construíram uma pequena capela em homenagem a Nossa Senhora e por isso ganharam o nome de “Ordem dos Carmelitas”.

Esse local não foi escolhido à toa, já que é considerado um local sagrado, principalmente por conta das ações do profeta Elias que em questão teve como prova de Deus sua manifestação o defendendo e mostrando que era o único Deus.

Um tempo depois, a Ordem foi para a Europa onde enfrentaram tempos muito difíceis. Mas foi ali que São Simão Stock consagraria a história e origem do escapulário. O ano era 1251 e São Simão estava orando e pediu um sinal de proteção a Nossa Senhora contra os seus possíveis inimigos. Foi ali que recebeu dEla um escapulário com a promessa de proteção para todos aqueles que o usassem.

“Recebe, filho amado, este escapulário. Todo o que com ele morrer, não padecerá a perdição no fogo eterno. Ele é sinal de salvação, defesa nos perigos, aliança de paz e pacto sempiterno”.

Depois desse episódio, os carmelitas ficaram conhecidos como uma das maiores ordens da Igreja Católica. A ordem dos Carmelitas proveu para o mundo muitos santos importantes da história como: Santa Tereza D’ÁvilaSanta Terezinha do Menino Jesus, São João da Cruz e inúmeros outros. (www.nossasagradafamilia.com.br)

 

 

Por Carlos Frazão/JI