Pediatras dizem que é preciso fazer testes de vacina para Covid-19 em crianças

Existem três testes de vacinas em grande escala para adultos nos Estados Unidos, mas nenhum começou a ser feito para crianças.

(Foto: Reprodução/Pixabay)

 

Um grupo de especialistas em doenças infecciosas pediátricas dos Estados Unidos está pedindo que sejam feitos testes de vacinas para crianças. O país já registrou mais 200 mil mortes causadas pela Covid-19.

Existem três testes de vacinas em grande escala para adultos nos Estados Unidos, mas nenhum começou a ser feito para crianças, que estão “presas no ponto morto”, como compararam oito médicos em um comentário publicado na revista médica Clinical Infectious Diseases.

“O fato é que mesmo que tudo esteja acontecendo a uma velocidade sem precedentes para adultos e idosos em relação às vacinas da Covid-19, ainda não avançamos para iniciar os ensaios pediátricos”, afirmou o doutor Buddy Creech, especialista em doenças infecciosas pediátricas da Universidade Vanderbilt e um dos autores do comentário.

“Fazemos um apelo para dizer que, em vez de primeiro esperar para ver se temos uma vacina eficaz para adultos, precisamos começar o trabalho de pelo menos avaliar as vacinas em adolescentes e idades cada vez menores, para que possamos ter uma noção da dosagem, o esquema de aplicação de doses e a eficácia potencial desse tipo de vacina”, disse Creech.

A Pfizer, que está na última fase de testes para sua vacina, está “trabalhando ativamente com os órgãos reguladores em um possível plano de estudo pediátrico”, segundo um porta-voz da empresa disse à CNN.

Moderna, outra empresa cuja vacina está ensaios de Fase 3 nos Estados Unidos, planeja iniciar testes pediátricos “em um futuro próximo, sujeito à aprovação regulatória”, conforme escreveu um porta-voz em um comunicado à CNN.

Até agora, mais de 6,89 milhões de norte-americanos foram infectados desde o início da pandemia e pelo menos 200.710 morreram, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

 

Christina Maxouris e Theresa Waldrop da CNN

você pode gostar também