Perfis distintos e ousados

A era Babá Tupinambá e Fábio Cardoso, presidentes dos bois Caprichoso e Garantido respetivamente, está marcada por desafios, habilidade e ousadia. O título de melhor gestor, pelo fato de ser vencedor na arena, é direcionado para o lado azul: dois títulos em três anos. Com essas perdas o Garantido andou “respirando” com a ajuda de aparelhos e a ausência de um triunfo em 2019 seria uma tragédia para a diretoria vemelha. Ninguém gosta de perder, imagina três vezes seguidas.

Nesse mandato ficou evidente o perfil distinto e ousado dos presidentes dos bois. É claro que isso não influenciou na nota atribuída pelos jurados nas evoluções, porém, na arte de administrar sim. Os bois têm similaridade de recursos, patrocinadores, divulgação e etc.. Só não sei quem gasta de mais ou de menos; o certo é que os bois devem estar à altura do dinheiro que recebem anualmente e não é pouco. A vitrine que os bois dividem no cenário de reconhecimento popular é próprio, mas com poder de recurso público.

A derrota de um bumba é somente na arena, pois o valor do patrocínio é igual. Acho absurdo quando o boi fica inadimplente, perdendo bens na justiça e ano após ano correndo de ‘pires na mão’ atrás do governo por dinheiro. Os bois precisam melhorar nessa questão financeira, pois a responsabilidade deve prevalecer para evitar constrangimentos. Ser distinto e ousado são qualidades que qualquer gestor de boi bumba  pode ter, basta trabalhar com seriedade.

As diretorias atuais estão em fim de mandato e em breve surgirão outros nomes para comandar as nações vermelha e azul e, todos esperam, que os perfis distintos e ousados prevaleçam.

 

Aroldo Bruce

Colaborador JI

Foto: Parintinsnoticias.com

 

você pode gostar também