Responsável por jogo Vasco x Corinthians em Manaus, ex-jogador Roni é preso

Há suspeitas de inclusão de dados falsos nos boletins financeiros dos jogos realizados pela empresa “Roni 7” (Foto: Reprodução Internet)

 

 

 

O ex-jogador do Fluminense e da Seleção Brasileira Roni foi preso, neste sábado (25), durante jogo entre Botafogo e Palmeiras, no estádio Mané Garrincha, em Brasília, por suspeita de fraude financeira. Após a aposentadoria, ele virou empresário e abriu a “Roni 7” para levar jogos para outros lugares do país. Para Manaus, ele trouxe no último dia 4 a partida entre Vasco e Corinthians, que terminou empatada em 1 a 1.

A prisão do ex-atleta, com passagens também pelo Fluminense, Flamengo, Santos, São Paulo, Cruzeiro e Atlético-MG, ocorreu após investigação referente a um grupo criminoso especializado em fraudar o erário na realização de jogos. Há suspeitas de inclusão de dados falsos nos boletins financeiros dos jogos. Além de Roni, o presidente da Federação de Futebol do Distrito Federal, Daniel Vasconcelos, foi preso.

Segundo o Globo Esporte, a operação tem o nome de “Episkiros” – referência ao jogo com bola criado na Grécia antiga que deu origem ao futebol, e pode significar também “jogo enganoso” – e é realizada por agentes da Coordenação Especial de Repressão ao Crime Organizado, à Corrupção, aos Crimes contra Ordem Tributária e Administração Pública (Cercor) da Polícia Civil do DF. A investigação aponta indícios dos crimes de associação criminosa, falsidade ideológica, estelionato majorado e sonegação fiscal.

A 15ª Vara Federal Criminal de Brasília autorizou o cumprimento de sete mandados de prisão temporária e 19 mandados de busca e apreensão. Buscas acontecem em Brasília, Luziânia, no interior de Goiás, e Goiânia para buscar provas nas casas dos investigados, em empresas, Federação Brasiliense de Futebol e no Estádio Mané Garrincha.

 

 

Portal A Crítica