Gov-01

Saúde sim. Doença não

Nosso Deus não é vingativo, que busca desforra diante do mal cometido.

Mulheres americanas fazendo fila para a vacina da varíola nos anos 60 (Foto: Getty Images)

 

“Quem permanece por muito tempo próximo das pessoas que sofrem, conhece a angústia e as lágrimas, mas também o milagre da alegria, fruto do amor” (Bento XVI). A dor e o sofrimento acompanham o ser humano do nascer até o declinar da vida. Não fomos criados para o sofrimento, nosso Deus não é masoquista, que sente prazer ao ver o ser humano sofrer, nosso Deus é o Deus da vida. “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 15).

Dizer que a doença é vontade de Deus é mentira. A doença é coisa da gente, é de natureza humana e não divina. Em nenhum momento da vida humana podemos dizer que Deus quis a morte. Muitas vezes a gente se depara com afirmações do tipo: “foi vontade de Deus que acontecesse aquele acidente… foi vontade de Deus que aquela pessoa morresse de tal doença. É vontade de Deus que aquela pessoa sofra porque deve pagar os seus pecados”.

Nosso Deus não é vingativo, que busca desforra diante do mal cometido. Nosso Deus odeia o pecado, mas ama o pecador. “Eu não quero a morte do pecador e sim que ele se converta e viva” (Ez 18,23). O Senhor Jesus nunca deixou de atender o clamor, fosse de quem fosse. A palavra do Senhor foi sempre em defesa da vida. “Levanta-te a tua fé te salvou” (Lc 17,10). “Se tu queres podes curar-me. Eu quero fique curado” ( Mc 1,40-41).
A Campanha da Fraternidade deste ano não quer justificar a doença e muito menos colocar panos quentes na situação da saúde de nosso povo mais necessitado. Pelo contrário.
O grande objetivo é: “refletir sobre a realidade da saúde no Brasil em vista de uma vida saudável, suscitando o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção aos doentes e mobilizar por melhorias no sistema público de saúde”. Ninguém quer condenar ninguém e muito menos jogar pedras contra o telhado do vizinho, mas também não se quer fechar os olhos diante da realidade. A Campanha da Fraternidade entende o ser humano como uma unidade de corpo e alma.

“Ao paralisar o corpo, a doença impede o espírito a voar. Ao mesmo tempo em que experimentamos a unidade, de outro lado a profunda ruptura. A doença é um forte convite à reconciliação e à harmonização com nosso próprio ser” (Texto base nº 12). O Guia da Pastoral da Saúde na América Latina diz que: “a saúde é afirmação da vida, em suas múltiplas incidências, e um direito fundamental que os Estados devem garantir”.

O mesmo documento assim define a saúde como “um processo harmonioso de bem estar físico, psíquico, social e espiritual, e não apenas ausência de doença, processo que capacita o ser humano a cumprir a missão que Deus lhe destinou, de acordo com a etapa e a condição de vida em que se encontra” (Texto base nº 14).

A saúde é um conjunto de fatores humanos que devem entrar em harmonia, desde alimentação, educação, trabalho, remuneração, as relações interpessoais, a qualidade de vida, a dimensão espiritual da fé, enfim o equilíbrio humano e sobrenatural da vida. Nosso desejo é ver concretizada a da Palavra de Deus: “Que a saúde se difunda sobre a terra” (Eclo 38,8). E para que isso aconteça cada qual deve fazer a sua parte. Os indivíduos como primeiros responsáveis.

Os municípios, os Estados e a Nação, através dos organismos competentes, não podem deixar de medir esforços e criar políticas públicas que venham ao encontro das necessidades do povo. Por isso: saúde sim. Doença não.

 

Irmã Maria Helena Teixeira, Teóloga, Escritora.

Colaboradora JI

 

você pode gostar também